A parte que me falta

Nosso corpo não é a mera soma das partes que o constituem. Nossa pele é mais do que o invólucro que separa o lado de dentro do lado de fora. Sentimos o mundo por meio dos nossos corpos. Somos e estamos. Sentimos e fazemos sentir. Projetamo-nos no mundo e nos outros e espelhamos o que os outros veem em nós. Imitamos, construímos, criticamos, descontruímos para depois reconstruir um novo corpo, com novas significações e novos olhares.


O todo não é a soma das partes tem o objetivo de projetar o olhar nos corpos esquecidos nas imagens. Circunavegando o mundo por meio do Google Street View é possível encontrar essas partes, meio humanas, meio fantasmagóricas, mas sempre representativas de um olhar. O corpo, por vezes pela metade, é capaz de projetar uma sombra completa. Ele não está, mas está ao mesmo tempo. O jogo é simbólico. Estamos e não estamos, somos e não somos. Sentimos, tocamos, olhamos, vivemos para descobrir.